Artigos

A minha casa…

por Padre Jorge Wydrych - Pároco

Duas mulheres, duas irmãs. Marta e Maria recebem Jesus em casa, narra o trecho do Evangelho de Lucas (Lc 10,38-42). Para o evangelista a palavra “casa” é muito importante, por isso ele a usa 28 vezes.  Jesus anda de casa em casa e é recebido pelas pessoas em suas próprias moradias. Para Zaqueu ele diz: – “Desce depressa, porque é preciso que eu fique hoje em tua casa”. (Lc 19,5). Por que isso é tão importante para Jesus? Porque em casa somos nós mesmos – sem pose, sem máscaras, nem mais, nem menos -.

A casa é um lugar muito particular, e quando temos que passar um bom tempo fora dela, às vezes procuramos dar para esse lugar um pouco daquilo que o fará parecer com “nossa casa”.

Nosso encontro com Jesus não basta ser apenas na igreja, em comunidade ou em outros lugares públicos. O Mestre quer nos encontrar em casa e conhecer a nossa intimidade – do jeito como somos.

Na narrativa de Lucas sobre a missão de Jesus, o Cristo é um “sem-casa”, um “sem família” na medida em que, andando de casa em casa, torna-Se próximo de todos e acaba fazendo parte de suas famílias.

A casa, bem na verdade, não é algo formado apenas por paredes, portas, janelas, telhado, mas, são as pessoas com as quais moramos e convivemos neste ambiente. Em muitos lares, morar juntos nem sempre é acompanhado do verdadeiro conviver. Nesse sentido, ao citar “Casa de Abraão”, “Casa de Davi”, as Sagradas Escrituras referem-se às famílias de Abraão e de Davi (as pessoas com as quais eles convivem).

Diante dessa reflexão, fica o convite para que eu e você façamos da Igreja e da nossa comunidade uma verdadeira casa. Para isso precisamos ser autênticos no amor aos irmãos e no amor a Jesus. Como o que mais nos preocupar?

 

O Mestre quer nos encontrar em casa e conhecer a nossa intimidade.

Padre Jorge Wydrych

Pároco

Padre Jorge Wydrych é pároco e vigário episcopal na Região Nossa Senhora Aparecida (Rensa)

Compartilhe: