Perfil

Dinamar Gomes Pinto

Padre - 41 anos - Pároco -

“Quando eu crescer serei padre”.

Com esta frase o baiano Dinamar Gomes Pinto alertava seus familiares e catequistas sobre seu chamado ao sacerdócio. A frase do pequeno rendeu-lhe o apelido de “padre”, como carinhosamente era chamado pelos parentes.

Nascido em Contendas do Sincorá, região Centro-Sul da Bahia, em novembro de 1978, nosso atual pároco, padre Dinamar Gomes, entrou para o seminário em 2000, em Belo Horizonte, onde iniciou seus estudos em Filosofia. Oito anos depois, no dia 12 de dezembro de 2008, foi ordenado diácono durante a festa de Nossa Senhora de Guadalupe.

A ordenação presbiteral de padre Dinamar Gomes Pinto foi em 6 de junho de 2009, na Igreja Nossa Senhora do Carmo, em Betim. Nesta mesma cidade onde aconteceu sua ordenação, ele atuou como vigário (Paróquia São Francisco de Assis) e como pároco (Paróquia Sagrado Coração de Jesus).

A Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,25-37) é a passagem bíblica que fez padre Dinamar atender ao chamado para a missão de ser um servidor de Cristo por meio do sacerdócio. “Foi ali que descobri que me apaixonei por Jesus Cristo”, rememora o pároco sobre a leitura bíblica que o fez dizer sim ao chamado para ser presbítero.

Inspiração que vem da Bahia

Santa Dulce dos Pobres, a primeira santa brasileira, canonizada em outubro de 2019 por papa Francisco, é uma inspiração de vida para padre Dinamar. As ações da santa durante sua vida na Bahia como consagrada da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, inspiram nosso pároco em sua caminhada de fé. Padre Dinamar também é devoto de Santo Antônio e de Nossa Senhora da Imaculada Conceição.

Ouvir música e assistir um cineminha são as atividades que nosso pároco mais gosta de fazer em seus momentos de folga.

Perfil:

Nome: Dinamar Gomes Pinto
Nascimento: Contendas do Sincorá, BA, 11/8/1978
Ordenação Presbiteral: 6/6/2019
Paróquias: Sagrado Coração de Jesus (Betim), São José e São Gabriel Passionista (Barreiro/BH)
Frase bíblica: “… para que Deus seja tudo em todos”. 1 Co 15, 28.